quarta-feira, 17 de junho de 2009

ABSURDO - STF derruba exigência do diploma em jornalismo

Em julgamento realizado nesta quarta-feira (17/06), o Supremo Tribunal Federal deu provimento ao Recurso Extraordinário RE 511961, interposto pelo Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de São Paulo. Neste julgamento histórico, o TST pôs fim a uma conquista de 40 anos dos jornalistas e da sociedade brasileira, tornando não obrigatória a exigência de diploma para exercício da profissão.

Às 15h29 desta quarta-feira o presidente do STF e relator do Recurso Extraordinário RE 511961, ministro Gilmar Mendes, apresentou o conteúdo do processo encaminhado pelo Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de São Paulo e Ministério Público Federal contra a União e tendo a FENAJ e o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo como partes interessadas. Ás 17h05, o ministro Gilmar Mendes apresentou seu relatório e voto pela inconstitucionalidade da exigência do diploma para o exercício profissional do jornalismo. Dos 9 ministros presentes, sete acompanharam o voto do relator.

O relatório do ministro Gilmar Mendes é uma expressão das posições patronais e entrega às empresas de comunicação a definição do acesso à profissão de jornalista”, reagiu o presidente da FENAJ, Sérgio Murillo de Andrade. Este é um duro golpe à qualidade da informação jornalística e à organização de nossa categoria, mas nem o jornalismo nem o nosso movimento sindical vão acabar, pois temos muito a fazer em defesa do direito da sociedade à informação”, complementou, informando que a executiva da FENAJ reúne-se nesta quinta-feira, às 13 horas, para traçar novas estratégias de luta.

Valci Zuculoto, diretora da FENAJ e integrante da coordenação da Campanha em Defesa do Diploma, também considerou a decisão do STF um retrocesso. “Mas mesmo na ditadura demos mostras de resistência. Perdemos uma batalha, mas a luta pela qualidade da informação continua”, disse. Ela lembra que, nas diversas atividades da campanha nas ruas as pessoas manifestavam surpresa e indignação com o questionamento da exigência do diploma para o exercício da profissão. “A sociedade já disse, inclusive em pesquisas, que o diploma é necessário, só o STF não reconheceu isso, proclamou.

Além de prosseguir com o movimento pela qualificação da formação em jornalismo, a luta pela democratização da comunicação, por atualizações da regulamentação profissional dos jornalistas e mesmo em defesa do diploma serão intensificadas.



Fonte: FENAJ




Janaina Cortez
Jornalista
Mtb: 52.119/SP

e-mail: janainacortez@gmail.com

Um comentário:

gabriel disse...

FERROU !!!!! Literalmente ferrou a questão da liberdade de imprensa do nosso País...estão querendo dar golpe no governo com essa atitude tomada nesta quarta-feira pelo STF em desconstitucionalizar qualquer bacharel em jornalismo....não sou estudante de jornalismo nem tão pouco jornalista, mas sou musico por vocação e vendedor como profissão e, tenho como princípio a liberdade de expressão e o direito de ter informações reais do que acontece no meu País... agora imaginem que se acontece alguma coisa de importante a ser divulgado, aparece um órgão politico qualquer e desmerece aquela informação... E ainda tem mais, sabemos de que a população não aprova essa decisão do STF, não só a população mas como também todas as entidades jornalísticas do País, mas só que tem um problema...não sabemos em que proporção aparecerá novas intituições de comunicação sem nenhuma ética, bom senso e escrúpulos... É o governo querendo tomar o poder e controlar a comunicação ? Estou assustado.